quarta-feira, fevereiro 06, 2019

Resenha – A Torre do Amor, Eloisa James – Editora Arqueiro

Título: A Torre do Amor (Once Upon a Tower)
Série Contos de Fadas 04 (Fairy Tales)
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro

Sinopse:
Quando Gowan, o magnífico duque de Kinross, decide se casar, seu plano é escolher uma jovem adequada e negociar o noivado com o pai dela. Ao conhecer Edie no baile de apresentação dela à sociedade, ele acredita que, além de linda, ela também seja a dama serena que ele procura e imediatamente pede sua mão. Na verdade, o temperamento de Edie é o oposto da serenidade. No baile, ela estava com uma febre tão alta que mal falou e não conseguiu prestar atenção em nada, nem mesmo no famoso duque de Kinross. Ao saber que seu pai aceitou o pedido do duque, ela entra em pânico. E quando a noite de núpcias não é tudo o que podia ser... Mas a incapacidade de Edie de continuar escondendo seus sentimentos faz com que o casamento deles se desintegre e com que ela se recolha à torre do castelo, trancando Gowan do lado de fora. Agora o poderoso duque está diante do maior desafio de sua vida. Nem a ordem nem a razão funcionam com sua geniosa esposa. Como ele conseguirá convencê-la a lhe entregar as chaves não só da torre, mas também do próprio coração?     
    

A Torre do Amor é o quarto livro da série Conto de Fadas, escrita por Eloisa James, lembrando que, apesar de ser uma série, os livros possuem histórias independentes (pelo menos até agora) e podem ser livros sem uma ordem específica.

O primeiro livro da série, Quando a Bela Domou a Fera, foi inspirado no conto da Bela e a Fera, o segundo, Um Beijo à Meia-Noite, foi inspirado no conto da Cinderela, o terceiro, A Duquesa Feia, no conto do Patinho Feio e A Torre do Amor no conto da Rapunzel. Eu adoro contos de fadas, acho a coisa mais lindinha e fofa e ver essas releituras em forma de romance de época realmente foi um achado!! Estou amando essa série <3 <3

Em A Torre do Amor temos o jovem Gowan Stoughton de Craigievar, duque de Kinross, que no momento está na Inglaterra em uma viagem de negócios e aproveita para encontrar uma esposa adequada. Ele deseja encontrar uma jovem esposa para se casar, uma moça calma, que possua bons modos, bonita, dócil e, claro, que tenha uma excelente família e que não interfira muito na sua vida e muito menos no seu trabalho.

Nessa época os homens parecem que estão comprando um bicho para o estábulo e é nesse momento da história que as feministas piram, mas acalmem-se, isso foi em outra época, 1800 e alguma coisa, já passou.

O conde de Gilchrist está oferecendo um baile de debutante para a sua filha Edie e Gowan está lá. Mesmo não gostando do jeito afetado das inglesas, Gowan acaba vidrado no jeito calmo e meigo de Edie e decide que essa será a sua esposa, dança com ela algumas vezes e já acerta com o pai o pedido de casamento. O que ele não sabe é que Edith está quieta e passiva em sua festa, porque ela está com dores de cabeça e febre.

A coitada da mocinha está doente e nem lembra de nada direito da sua festa e muito menos das feições exatas do conde, seu futuro marido. No dia seguinte bate um certo desespero em Edie…
Como se casaria com um homem que mal conhecia?? 



A madrasta de Edie , Layla, (uma personagem pra lá de divertida) a deixa mais calma e a convence que o casamento pode dar certo! Gowan e Edie começam a se corresponder e acabam por conhecer um pouco mais um do outro. Ambos acabam sendo convidados para um casamento e vão se encontrar novamente, só que agora Edie estará com sua saúde perfeita e poderá analisar de forma lúcida o seu futuro marido. Isso a deixa aflita, mas, quando encontra com Gowan, tem certeza que vai dar tudo certo.

Gowan é um belo espécime masculino, possui um belo corpo que logo chama a atenção de Edie. Já Edie toca violoncelo, possui uma personalidade divertida e exuberante, o que acaba surpreendendo positivamente Gowan, a química entre eles é real e Gowan consegue rapidamente uma licença especial para se casarem o mais breve possível.

Depois do casamento realizado, todo o drama se inicia… A tão esperada noite de núpcias acaba sendo um problema que eles não imaginaram que teriam, a falta de experiência de ambos acaba atrapalhando o relacionamento deles e Edie prefere não falar sobre os seus sentimentos com o marido, enquanto este sente que está falhando. Esse casal vai precisar de muita conversa para que dê tudo certo entre eles.

A história é linda, fluiu muito bem, os personagens fogem um pouco do habitual e isso fez com que a trama se tornasse bela e diferente. O crescimento e o entendimento emocional de ambos durante a história faz a gente torcer para que ambos se acertem logo, conversem mais e exponham de forma sincera os seus problemas, desejos e frustrações para que tudo comece a caminhar de forma positiva.

Não posso deixar de falar da madrasta de Edie , a Layla, ela praticamente rouba a cena quando aparece, ela é demais! Muito divertida!

O Quarteto Smythe-Smith é citado no livro e o casamento onde Gowan se encontra com Edie, é o casamento de Honoria e Marcus do livro "Simplesmente o Paraíso" de Julia Quinn, amei esse entrelaçamento de histórias.

Super recomendo essa leitura!

Estou aguardando ansiosa pelo último livro da série

Gostou dessa história?
Baixe um trecho
Comprar

Vamos falar um pouco da parte técnica do livro?
A capa é bonita e elegante, com título e o violoncelo com aplicação em verniz. A diagramação é caprichada e bem cuidada. As páginas foram impressas em papel creme, o que suaviza a leitura e não cansa os olhos, com tipologia adequada o que facilita a leitura. O livro possui 352 páginas divididas em 42 capítulos, epílogo, Uma nota sobre literatura - inglesa, alemã, persa - e sobre violoncelos e agradecimentos
Parabéns editora Arqueiro pelo belo trabalho.

Série Contos de Fadas:

01 – Quando a Bela Domou a Fera (Linnet e Piers)
02 – Um Beijo à Meia-Noite (Kate e Gabriel)
03 – A Duquesa Feia (Theodora e James)
04 – A Torre do Amor (Gowan e Edie)
05 – The Duke Is Mine     
   
Sobre a autora: Eloisa James escreveu seu primeiro romance depois de se formar em Harvard, mas o manuscrito foi rejeitado por todas as editoras. Depois de obter mais alguns diplomas e arranjar emprego como professora especializada em Shakespeare, ela tentou novamente, dessa vez com mais sucesso. Mais de 20 best-sellers depois, ela dá cursos sobre Shakespeare na Fordham University, em Nova York, é mãe de dois filhos e, numa ironia particularmente deliciosa para uma autora de romances, é casada com um legítimo cavalheiro italiano.     
   

4 comentários:

  1. Olá Renata,

    Não li nada da autora ainda mas leio só comentários positivos dos seus livros, bom saber que gostou da leitura...bjs.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marco,
      Ela é ótima, escreve muito bem, pode apostar nessa leitura ;)

      Excluir
  2. Oi Renata, ahh eu amo romance de época.
    Eu ainda estou no primeiro livro dessa série e foi o meu primeiro contato com a autora Eloisa. Aí que legal essa citação dos Smythe-Smith (eu amo esse quarteto, tirando quando elas começam a tocar).

    Sua resenha é completíssima : )

    Até mais!
    www.depoisdaleitura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi
      Eu também adoro romance de época e acho super legal quando um personagem de outro livro aparece na história! Amo

      Excluir