quinta-feira, junho 10, 2021

Resenha Literária – Um Beijo e Nada Mais, de Mary Balogh

Título:
Um Beijo e Nada Mais
(Only a Kiss)
Série Clube dos Sobreviventes 06
Autor: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Compre aqui (Afiliado Amazon)

Sinopse: Desde que testemunhou a morte do marido durante as Guerras Napoleônicas, Imogen, lady Barclay, se isolou em Hardford Hall, na Cornualha. O novo dono da propriedade ainda não apareceu para reivindicá-la, e ela torce desesperadamente para que ele nunca venha acabar com sua frágil paz. Percival Hayes, o novo conde de Hardford, não tem nenhum interesse na região distante da Cornualha, tanto que, desde que recebeu o título, nunca quis conhecer o lugar. Mas em seu aniversário de 30 anos ele está tão entediado que decide impulsivamente fazer uma visita às suas terras. Ao chegar lá, fica chocado ao descobrir que Hardford não é o monte de ruínas que imaginou. Fica perplexo também ao constatar que a viúva do filho de seu predecessor é a mulher mais linda que já viu. Em pouco tempo, Imogen desperta em Percy uma paixão que ele jamais pensou ser capaz de sentir. Mas será que ele conseguirá resgatá-la da infelicidade e convencê-la a voltar à vida?

Banner Um Beijo e Nada Mais

A Série Clube dos Sobreviventes vai contar a história de um grupo de amigos que sobreviveu a guerra e que se uniu para tentar se recuperar dos problemas que a guerra deixou em cada um deles. Todo ano esses amigos se encontram na Cornualha, em Penderris Hall, propriedade de George Crabbe que também tem sua cota de sofrimento.

Uma Paixão e Nada Mais, da autora Mary Balogh, é o sexto livro da série Clube dos Sobreviventes publicado pela Editora Arqueiro aqui no Brasil. Nesse sexto livro teremos a história de Imogen e Percival Hayes, o novo conde de Hardford.

Percival Hayes, um homem que tem tudo não tem nada por que viver. Leva uma vida de ócio e bebedeiras, o tédio toma conta dos seus dias e durante a comemoração do seu trigésimo aniversário decide que é hora de visitar Hardford Hall na Cornualha, o lugar que herdou há dois anos e que nunca, nem sequer viu.

 
"Acredito que vim à Cornualha na esperança de me redescobrir, embora não tivesse percebido isso até este momento. Vim porque precisava me afastar da minha vida e descobrir se a partir dos 30 anos eu conseguiria encontrar algum propósito novo e digno."
(pág. 166)

Ao chegar descobre que a casa é grande, bem cuidada, com empregados e que possui parentes distantes morando na propriedade, assim como Imogen Hayes, lady Barclay, a viúva de seu primo falecido. O primeiro contato de ambos não é nada amistoso, eles se estranham logo de início. Percival por ser meio nariz em pé demais e Imogen por ser uma mulher madura e sofrida que não fica calada diante de nenhum desaforo.  
Um Beijo e Nada Mais Imogen e flores

Imogen não mora na casa principal, ela tem a sua própria um pouco mais afastada onde leva uma vida completamente independente, mas o seu telhado está sendo consertado e por conta disso passará um tempo na casa principal juntamente com os outros moradores e, claro, com Percival também.

Ambos acabam se conhecendo melhor e Imogen descobre que Percival não é uma pessoal tão terrível quanto pareceu no primeiro momento. Por outro lado, Percival percebe que Imogen é uma mulher sofrida e com um passado bem sombrio, mas quer que ela volte a sorrir novamente. Surge um interesse mútuo entre eles, um leve desabrochar do amor, que a principio nem mesmo o casal imagina se poderá dar certo. 
  Um Beijo e Nada Mais 3

Imogen é a única mulher do Clube dos Sobreviventes, e confesso que estava bem curiosa para saber a sua história e o que aconteceu para deixá-la tão destroçada. Quando finalmente descobrimos juntamente com Percival, é um choque! Realmente foi tenebroso e isso a deixou devastada para sempre.

 
"O problema com a vida é que estamos todos juntos nela."
 
(pág. 291)

Apesar de ser um romance de época e delicado em alguns momentos, em outros é tão tenso e pesado que nosso coração se aperta quando Imogen conta como o seu marido morreu na guerra… É realmente de partir o coração em mil pedaços.

Gosto muito dessa série porque temos personagens com problemas reais, que tentam se recuperar, superar e recomeçar suas vidas, mesmo que a princípio imaginem que isso nunca mais poderá acontecer. Então surge o amor como uma cura da alma, reerguendo e trazendo um novo começo para a vida dessas pessoas que foram tão marcadas e sofridas.
 
 
Super recomendo essa leitura e já estou ansiosa para ler o último livro da série 

Vamos falar um pouco da parte técnica do livro?
Na capa temos a imagem de uma moça com roupa de época, em um recorte que remete a lembrança de um camafeu. A capa é toda fosca com aplicação de verniz (brilho) no título do livro, na foto e no nome da autora. A diagramação interna é simples, mas muito bem cuidada. As páginas foram impressas em papel off-white, o que suaviza a leitura e não cansa os olhos. O livro possui 288 páginas.
Parabéns para a editora Arqueiro pelo belo trabalho.

Os livros da série Clube dos Sobreviventes são:
1 – Uma Proposta e Nada Mais (The Proposal) (Gwen e Hugo)
1.5 – O Pretendente (The Suitor) conto  
2 – Um Acordo e Nada Mais (The Arrangement) (Sophia e Vincent)
3 – Uma Loucura e Nada Mais (The Escape) (Samantha e Benedict)
4 – Uma Paixão e Nada Mais (Only Enchanting) (Agnes e Flavian)
5 – Uma Promessa e Nada Mais (Only Promise) ( Chloe e Ralph)
6 – Um Beijo e Nada Mais (Only a Kiss) (Imagen e Percival) 
7 – Only Beloved

série Clube dos Sobreviventes

Capas estrangeiras:
Only a Kiss 01   Only a Kiss 02


Sobre a autora: Mary Balogh nasceu e foi criada no País de Gales. Ainda jovem, se mudou para o Canadá, onde planejava passar dois anos trabalhando como professora. Porém ela se apaixonou, casou e criou raízes definitivas do outro lado do Atlântico. Sempre sonhou ser escritora e tinha certeza de que, no dia em que escrevesse um livro, ele seria ambientado na Inglaterra do Período da Regência. Quando sua filha mais nova tinha 6 anos, Mary finalmente encontrou tempo para se dedicar ao antigo sonho. Depois de três meses escrevendo na mesa da cozinha, a primeira versão de sua obra de estreia estava pronta. Publicada em 1985, deu a Mary o prêmio da Romantic Times de autora revelação na categoria Período da Regência. Em 1988, depois de vinte anos de magistério, ela passou a se dedicar apenas aos livros.
Hoje Mary Balogh é presença constante na lista de mais vendidos do The New York Times e vencedora de diversos prêmios literários.

2 comentários:

  1. Resenha maravilhosa, está de parabéns! Eu amo essa série!
    Esse livro foi realmente tocante e sensível, gostei demais de saber da história da Imogen.

    ResponderExcluir
  2. Que linda a sua resenha, fiquei curiosa para saber o que aconteceu com o marido dela. Já quero ler

    ResponderExcluir